Vítima, de 32 anos, foi atingida mortalmente por uma bala na zona do peito durante treino anual de tiro.
Um disparo acidental matou Carla Amorim, de 32 anos, esta terça-feira de manhã, quando a guarda prisional participava numa ação de formação que estava inserida no treino anual de tiro, junto ao Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira. O acidente ocorreu pelas 11h00, numa carreira de tiro – quando uma bala disparada por um instrutor atingiu de forma fatal o peito da vítima. No local, equipas médicas do Hospital de Penafiel e os bombeiros de Paços de Ferreira ainda fizeram todos os esforços para tentar reanimar a vítima, natural de Baião, mas o óbito da vítima foi declarado ainda na cadeia, por volta das 12h30. A GNR foi chamada ao local, mas a investigação do caso passou entretanto para a Polícia Judiciária do Porto, que deverá ouvir o autor do disparo fatal nos próximos dias, até porque ontem o monitor se encontrava em choque. Em comunicado, a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) lamentou “profundamente o sucedido” e garante já ter pedido a abertura de um inquérito que vai ficar a cargo do inspetor coordenador do Serviço de Auditoria e Inspeção (Norte) da DGRSP. Em Baião – Carla vivia no centro da vila -, família e amigos reagiram com incredulidade. Pelas redes sociais, muitos dos que eram próximos da guarda prisional quiseram ontem prestar homenagem com palavras de apoio à família.

“A Carla era jovem e muito querida em Baião e as pessoas sentem uma grande revolta” Carla Amorim vivia na União de Freguesias Campelo e Ovil, em Baião. A população ficou bastante consternada com a notícia. “Toda a gente está revoltada com esta perda. A Carla era uma pessoa jovem e muito humilde. Aqui em Baião todos gostavam dela e no seio familiar ela era como uma líder. Temos de apoiar a família” disse Filipe Fonseca, presidente da junta local. Local errado e nada fazia prever tiro Foi um dos formadores do treino que disparou acidentalmente o tiro que atingiu mortalmente a guarda prisional Carla Amorim. Ao que o CM apurou, a Polícia Judiciária aponta para um cenário de erro grosseiro por parte do instrutor. Por se encontrar em choque com o sucedido, não conseguia ontem sequer explicar de forma coerente a situação, pelo que os inspetores da PJ apenas o deverão ouvir nos próximos dias. Os primeiros indícios e testemunhos recolhidos pelas autoridades vão no sentido de a vítima se encontrar num sítio que não deveria, mas que nada faria prever – ou justificava – o disparo naquele momento. As declarações do formador e dos restantes formandos vão ser fulcrais para perceber que evolução terá esta investigação. PORMENORES Arma usada por guardas A bala disparada possuía um calibre de 9 mm e era usada pelas pistolas dos guardas prisionais. Inspetor é magistrado O inspetor que vai ficar responsável pelo inquérito aberto internamente pela DGRSP é magistrado do Ministério Público. Carreira de tiro O local onde o tiro foi disparado fica num terreno exterior junto ao estabelecimento prisional.

Fonte: https://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/guarda-prisional-morta-por-monitor-em-exercicio